Simplesmente Fedora precisa de sua ajuda para permanecer nas redes sociais e conta com você!

Simplesmente Fedora é um blog cristão, brasileiro, conservador, anticomunista, apartidário, sem patrão, sem patrocínio. Utiliza plataforma e ferramentas gratuitas, mas precisa de telefonia e internet, que são pagas. Obrigada por sua doação!

sexta-feira, 17 de junho de 2016

A Tática do Espelho*

Vladimir Lenin
Há exatamente dois anos, Rodrigo Constantino escreveu em sua coluna na Veja.com o artigo "Desespero, ódio e baixaria. Ou: a tática do espelho". A Veja demitiu-o e apagou seus arquivos. Hoje, reencontrei o artigo em seu Blog.

A Tática do Espelho tem muito a ver com o que a militância política de esquerda tem promovido no Brasil, principalmente nos últimos dias. E o modus operandi deles não muda, faz parte da praxis da esquerda desde os tempos de Lenin. Eis o que Constantino* escreveu sobre o assunto em 2014.

********************

Desespero, Ódio e Baixaria ou: A Tática do Espelho
Por Rodrigo Constantino*

O discurso do ódio é a marca registrada de Lula
Lenin ensinou aos seus seguidores: acuse o inimigo daquilo que você mesmo faz. É a tática do espelho: sentar diante de seu próprio reflexo e, com a maior cara de pau, atacar o outro com rótulos e adjetivos extraídos diretamente da própria imagem abjeta. O PT, nem preciso dizer, é um filhote do leninismo.

O excelente editorial do Estadão hoje parte exatamente desta premissa, para concluir que nada é mais absurdo do que um Lula acusando a oposição de semear o ódio. Lula subiu na vida pregando o ódio! E mesmo no poder continuou fazendo a mesma coisa, dividindo para conquistar, segregando o povo brasileiro de forma maniqueísta para se perpetuar no poder. Diz o jornal:

No desespero diante da sólida evidência de que a incompetência de Dilma Rousseff está colocando seriamente em risco o projeto de poder do PT, Luiz Inácio Lula da Silva apela para seu recurso retórico predileto: fazer-se de vítima, acusar “eles” – seus adversários políticos – daquilo que o PT pratica, transformando-os em inimigos do povo e sobre eles jogando a responsabilidade por tudo de ruim e de errado que acontece no País. Lula decidiu de vez “partir para cima” e deixou claro que até outubro estará se atolando no ambiente em que se sente mais confortável: a baixaria.

Uma das mais admiráveis figuras do século 20, Nelson Mandela, reconciliou a África do Sul – que saía do abominável regime do apartheid – consigo mesma promovendo pacificamente o entendimento entre a minoria branca opressora e a ampla maioria negra oprimida. Lula continua fazendo exatamente o contrário: dividiu os brasileiros entre “nós” e “eles”, arrogando-se a tutela sobre os desvalidos, que tem procurado seduzir, transformando-os não em cidadãos, mas em consumidores. Um truque que, como se vê hoje nas ruas, está saindo pela culatra.

Pois é exatamente o homem que subiu na vida com um punhal entre os dentes, disseminando a divisão em vez da consciência da cidadania como arma de luta contra as injustiças sociais, que agora, acuado pelo desmascaramento da enorme farsa que tem protagonizado, tem a desfaçatez de prognosticar que “a esperança vai vencer o ódio”.

Nem todos que condenaram as vaias e, principalmente, o xingamento à Dilma na abertura da Copa são petistas, claro. É legítimo considerar tal ato desnecessário, excessivo, sintoma de falta de educação. O que é típico de petista é outra coisa: a afetação seletiva, o duplo padrão moral, a simulação de espanto e falso moralismo, a vitimização, a acusação de que isso é ódio de uma “elite branca”. Quem foi por essa linha só pode ser um petista, ainda que enrustido.

O editorial finaliza com precisão: “Os líderes do lulopetismo só estarão a salvo de vaias e constrangimentos se escolherem as multidões que estão sob seu próprio controle”. O PT conseguiu rachar o Brasil ao meio (na verdade, mais da metade está contra o modelo bolivariano do PT, ainda que muitos não tenham se dado conta da urgência da necessidade que tirá-lo do poder, mesmo sem uma alternativa maravilhosa). Apenas diante de gente comprada haverá aplausos a este governo autoritário e incompetente.

* CONSTANTINO, Rodrigo. Desespero, ódio e baixaria ou: a tática do espelho. Blog Rodrigo Constantino. Rio de Janeiro, 17 jun. 2014. Disponível em: <http://rodrigoconstantino.com/artigos/desespero-odio-e-baixaria-ou-a-tatica-do-espelho>. Acesso em 17 jun. 2016.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto

Blogueira. Cristã. Mulher. Esposa. Mãe. Avó. Cidadã. Princípios Cristãos. Família. Muita coisa na cabeça. Pensamentos. Sonhos. Ideias. Planos. Projetos.

Fedora! Antiga, porém moderna e jovial! Nunca sai de moda! Modelo feminino desde 1891! No teatro, desde 1882, com Sarah Bernhardt, por Victorien Sardou. Uma ópera! Clássica! Da cabeça aos pés, Fedora!

Heterônimo político de Ana Mônica Jaremenko.

Eu Apoio as 10 Medidas Contra a Corrupção!

Eu Apoio as 10 Medidas Contra a Corrupção!
Clique AQUI e saiba mais.

Se desaparecem em "Para Reflexão", reaparecem AQUI! Se o link muda, também!